IHM Stefanini implementa sistema para otimizar dados e melhorar o desempenho em fábrica de celulose da Klabin

Unidade Puma, em Ortigueira (PR), contou com a atuação do software PI System, que coleta, instantaneamente, mais de 75 mil variáveis monitoradas

A IHM Stefanini, empresa do Grupo Stefanini especializada no segmento industrial e que tem forte atuação em setores como Mineração, Siderurgia e Papel & Celulose, foi responsável pela implantação do sistema PIMS (Plant Information Management System) para a obtenção de dados na Unidade Puma, fábrica da Klabin implantada nos últimos anos no Paraná. A Klabin é hoje a maior produtora e exportadora de papéis para embalagem no Brasil, e o projeto foi implementado junto com a construção da fábrica, sempre buscando a otimização do uso de dados e a excelência do desempenho.


Inaugurada em 2016 na cidade de Ortigueira, Unidade Puma é responsável pela produção de 1,5 milhão de toneladas de celulose de fibras curtas e longas por ano, além de gerar 270MW de energia e comercializar 150MW de energia excedente. A missão de preparar o PIMS, encarada pela IHM Stefanini, tinha como objetivo promover a integração de informações de todos os sistemas que compõem o complexo, centralizando os dados disponíveis e promovendo o acesso a eles de forma eficiente. ​

O tamanho exponencial da Unidade Puma fez com que o desafio se tornasse ainda maior pela enorme diversidade de equipamentos e sistemas. Ao todo, foram monitoradas e organizadas 75 mil variáveis de diversas fontes de dados como instrumentos de processo (+ de 20K), válvulas de controle (+ de 3K), motores elétricos (+ de 3,5K) e bombas (+ de 600), de diferentes fabricantes (Schneider, Valmet, ABB, Siemens, Wedge, SAP, MII, SQL, BQM, RQM, LIMS, Spotfire). Tudo foi integrado por meio do PI System, software da empresa americana OSIsoft que é referência para lidar com PIMS, e que garantiu tanto a interface com mais de dez sistemas quanto a integração com diversas plantas para coleta, monitoramento e consolidação das informações oriundas de todas as empresas envolvidas no projeto. Além disso, o sistema tinha que apresentar uma arquitetura com alta disponibilidade, o que envolveu redundância de coletores, utilização do PI em HA (high availability) e uma configuração traçada de forma adequada para a rede com redundância em subdomínios distintos.

Com os desafios lançados, as soluções começaram a ganhar forma durante o período de implantação, entre fevereiro de 2016 e julho de 2016, obedecendo critérios de priorização, o que era fundamental em uma indústria de tamanha complexidade. A IHM adotou toda a plataforma do PI System (PI AF, Analysis, Event Frames, Datalink, ProcessBook, Vision e Profile) para coletar, organizar e transformar os dados em informação, utilizando o conceito de “Dados Futuros”.

Com a infraestrutura de dados altamente escalável e configurável do PI System foi possível simplificar a operação, com inteligência de ativos e, também, com processos para inteligência operacional, tudo em tempo real.

“Tivemos que entender inicialmente o negócio e o processo do cliente e, com o uso de sistemas inteligentes, transformamos todos os dados em informações práticas para buscar resultados palpáveis nesse tipo de indústria”, explica Gustavo Brito, diretor de Digital Industry da IHM Stefanini. “Também desenvolvemos algumas aplicações customizadas usando o PIMS como base de dados e centralizador da informação, integrando todos os dados de uma produção de diferentes fontes”, complementa Brito.

Um exemplo da complexidade da operação foi uso massivo do PI AF, software do pacote dedicado a organizar tags e assets, estabelecendo relações e hierarquias entre eles, o que permitiu diferenciar variáveis por tipo e áreas. Outra função interessante e bem sucedida foi a aplicação da análise do PI System para tratar os dados e gerar informação de valor a todos os usuários.

Os resultados do uso desse sistema implementado pela IHM Stefanini na Unidade Puma foram extremamente significativos tornando todo o ecossistema de gerenciamento desse tipo de indústria mais eficaz, amigável e interativo. As reuniões, paradas obrigatórias, balanços, ritmos de produção e decisões sobre custos e consumos passaram a ter como base informações fornecidas pelo sistema utilizado. O PI também possibilitou a divulgação de informações online e diárias de meio ambiente para toda a fábrica, informações essas que são essenciais na operação de papel e celulose. Além disso, o sistema possibilitou atender a rastreabilidade de dados necessária para o atendimento de requisitos legais.

“Essas ferramentas permitem que, mesmo à distância, façamos o acompanhamento e a gestão com ganhos de confiabilidade, qualidade e incrementos de produção, tão fundamentais aos nossos resultados. A participação direta do nosso time de automação, integrado às equipes da IHM, foi essencial para o sucesso deste projeto”, finaliza Francisco Razzolini, diretor de Tecnologia Industrial, Inovação, Sustentabilidade e Projetos da Klabin.

Entradas populares de este blog

La convivencia intergeneracional

BairesDev se alza por cuarto año consecutivo como la compañía de desarrollo de software de mayor crecimiento de toda América Latina

Icatu Seguros utiliza plataforma CXone@home da NICE para transferir equipe de contact center para o trabalho remoto