Cinco dicas para o sucesso das empresas na era da LGPD

Paulo Padrão, Sênior Vice-presidente & General Manager LATAM da ASG Technologies

            Imagine uma empresa que investiu milhões na digitalização de sua operação e hoje tem seu negócio baseado em uma sólida estratégia de análise de dados, com informações fornecidas por seus clientes na loja on-line e nos pontos de venda físicos. Se essa empresa for a sua, fique certo de que, em breve, ela poderá ser multada ou impedida de operar, a não ser que se prepare para a nova Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), que entra em vigor em agosto deste ano.
            A LGPD revolucionará a forma como as companhias brasileiras trabalham e utilizam os dados em suas operações. A nova lei irá impor limites muito mais específicos e rígidos para coleta, armazenamento, manuseio e até eliminação de informações pessoais.
            Vale lembrar, aliás, que agora o poder sobre as informações está nas mãos dos clientes, pois são eles quem concedem o direito de uso dos dados e, também, decidem quando estas informações devem ser descartadas. Quem não cumprir o que está estabelecido na lei correrá o risco de sofrer com altas multas e danos de reputação incalculáveis.
            Não por acaso, a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais tem provocado significativas mudanças de comportamento em companhias dos mais diversos segmentos. Mas quais serão, afinal, os segredos para o sucesso das empresas na era da LGPD? Em primeiro lugar, precisamos entender que a adequação à nova legislação não é um projeto pontual, mas uma jornada completa e contínua. 
            Além disso, os líderes corporativos – sejam das áreas técnicas ou de negócios – podem adotar uma postura positiva em relação à lei, adotando-a como um guia prático para o aprimoramento do uso de dados como elemento estratégico para o futuro das operações.
            Nesse contexto, podemos destacar cinco dicas essenciais para garantir a conformidade das empresas com a LGPD. São elas:

1. Identifique e localize os dados – Parece óbvio, mas nem sempre é exatamente assim. Você, por exemplo, sabe quais são as informações dos clientes que sua empresa tem à disposição neste exato momento? Saber filtrar e entender se todo o conjunto de dados é realmente necessário para os negócios é um importante passo para evitar erros de planejamento e gestão. Além do mais, identificar os dados é um ato fundamental para localizar onde e como esses registros estão armazenados e quais são as vulnerabilidades de cibersegurança a que estão sujeitos.

2. Promova a mudança da cultura organizacional – Além de atualizações técnicas e aprimoramentos estruturais, a LGPD exigirá a mudança de postura das companhias em relação aos dados de seus clientes. Por isso, é essencial que os líderes invistam na formação de uma cultura organizacional orientada ao uso ético e seguro das informações, bem como em ações práticas voltadas à conformidade dos procedimentos. Garantir que todos os funcionários da companhia estejam na mesma página é essencial para evitar ações conflitantes, que coloquem em xeque o plano de segurança das operações como um todo.

3. Treine e capacite toda a organização – Uma cultura organizacional voltada à segurança e ao uso ético das informações demanda que os colaboradores conheçam procedimentos e técnicas básicas para evitar falhas e vazamentos de dados. É preciso garantir que equipes e departamentos recebam treinamento e monitoramento adequados, e que as pessoas estejam conscientes do seu papel para o sucesso dos negócios.

4. Conte com soluções avançadas para Data Intelligence e Content Management – A tecnologia é fundamental para acelerar os ganhos e mitigar as ameaças em torno da utilização dos dados como uma ferramenta estratégica dos negócios. Ao adotar soluções inteligentes, com recursos inovadores para a consolidação e análise das informações, a companhia ganha agilidade para a tomada de decisões, evita os riscos existentes em processos manuais e ainda amplia o potencial de projeção e avaliação de cenários, agregando maior valor ao uso de dados. É a melhor forma de transformar as informações fornecidas pelos clientes em um fator realmente relevante para o futuro da companhia.

5. Selecione um parceiro especializado em LGPD – Diante de tantas alterações, é natural que sua companhia esteja com dúvidas em diversas áreas. Por isso, é aconselhável contar com parceiros que possam prestar suporte contínuo em todos os aspectos que a implementação da LGPD envolve. Isso inclui não apenas as mudanças na área de TI, com a adoção de novas tecnologias e formas de proteção técnica, mas também a implementação de práticas assertivas em setores como o de RH e o Jurídico, por exemplo. A nova Lei Geral de Proteção de Dados impactará todos os processos que utilizem dados pessoais – e não apenas a parte técnica.
           
            É importante que os líderes empresariais entendam que a LGPD acompanhará a rotina de seus negócios, mesclando tecnologia, ética, inovação e processos operacionais em todas as escalas. A nova lei exige uma mudança de postura, colocando seu acervo digital como o que realmente é: um tesouro a ser protegido e bem trabalhado para gerar valor às organizações. O prazo para agir está se esgotando e, sem dúvida, não há tempo a perder.

Entradas populares de este blog

Por cuarto año consecutivo BMC se posiciona como líder en el Cuadrante Mágico de Gartner en Gestión de Servicios de TI

BairesDev se alza por cuarto año consecutivo como la compañía de desarrollo de software de mayor crecimiento de toda América Latina

#SMDayBA | El 31 de julio llega una nueva edición de Social Media Day Buenos Aires