O direito de ser consumidor

Como inovar colocando o cliente no centro do negócio
Braulio Lalau de Carvalho (*)

Celebrado no dia 15 de março, o Dia do Consumidor nem sempre é lembrado espontaneamente pelas pessoas, embora tenha um potencial de crescimento de vendas similar ao da Black Friday. Segundo pesquisa realizada recentemente pelo IBOPE Conecta, o número de compras on-line entre consumidores das classes A, B e C está crescendo em todas as regiões do Brasil.

O levantamento mostra que um quarto dos internautas brasileiros faz compras em liquidação e queima de estoque em roupas (86%), sapatos (61%), tênis (47%), celulares (39%) e eletrodomésticos (38%). O estudo registra um gasto médio por pessoa no valor de R$ 302,03, sendo que a maior parcela dos entrevistados (27%) gasta mais de R$ 501. Um dado a ser considerado é que 47% dos consumidores costumam comprar tanto em lojas físicas quanto virtuais.

Este cenário nos dá um termômetro do quanto é fundamental ter um olhar constante para esse público ávido por novidades e, mais ainda, por benefícios e ações que tragam satisfação e incentivos que despertem o interesse daquele que é o único e grande propulsor do nosso desenvolvimento.

Mais atento ao mercado, o consumidor se torna mais exigente em relação à experiência oferecida pelas marcas e também aos seus direitos. Certamente, a inovação e as tecnologias disponíveis, em tempos de transformação digital, podem auxiliar a colocar o cliente no centro das organizações. De que forma? Ao conhecer a jornada completa do consumidor, é possível identificar seus interesses, desejos e necessidades, disponibilizando aquilo que realmente tenha o perfil dele.

O que se busca cada vez mais é uma avaliação 360 graus do consumidor em todos os setores (moda, saúde e beleza, eletrônicos, serviços em geral, entre outros). O mais importante nesta relação é o respeito ao cliente, ao momento dele, à forma que deseja se comunicar, sendo o menos invasivo possível. É fundamental personalizar o atendimento, mas com o cuidado de proteger as informações, especialmente com a nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que disciplina o tratamento dos dados pessoais no Brasil.
A LGPD, que em breve estará totalmente implementada, chega justamente para dar um equilíbrio nesse ecossistema, pois define o tipo e a forma como os dados podem ser coletados por empresas e pelo governo, e como estas informações poderão ser utilizadas, gerando um maior controle, por parte dos consumidores, sobre seus dados pessoais, permitindo a visualização, correção e até exclusão de informações. Na nova economia, estar atento às mudanças de comportamento é também uma forma de valorizar o consumidor, promovendo experiências que certamente poderão transformar o relacionamento e impulsionar o mercado.

(*) Braulio Lalau de Carvalho é CEO da Orbitall, empresa do Grupo Stefanini

Entradas populares de este blog

Por cuarto año consecutivo BMC se posiciona como líder en el Cuadrante Mágico de Gartner en Gestión de Servicios de TI

Soft skills: habilidades blandas en las organizaciones

Qué es BPO ?