Stefanini é a 5ª colocada geral no 13º Ranking FDC de Internacionalização das Empresas Brasileiras

Empresa é premiada pela liderança em número de países em que atua

Pelo quarto ano consecutivo, a Stefanini, uma das mais importantes provedoras globais de soluções de negócios baseadas em tecnologia, aparece como a 5ª empresa brasileira mais internacionalizada no Ranking FDC das Multinacionais Brasileiras 2018. Em sua 13ª edição, a pesquisa, agora chamada “Trajetórias de Internacionalização das Empresas Brasileiras”, traz reflexões sobre o movimento internacional de empresas brasileiras de variados portes, setores e níveis de internacionalização, explorando suas estratégicas internacionais, os resultados alcançados e as tendências de expansão.

Segundo a pesquisa, a Stefanini é a primeira colocada em número de países em que atua e a segunda com maior índice de ativos, que representa o percentual de ativos localizados no exterior em relação ao valor total. Também ocupa a quinta posição quando o item avaliado é o percentual de funcionários de subsidiárias internacionais em relação ao total de funcionários da companhia, além do sétimo lugar no índice de receitas. 
A pesquisa da FDC considerou quatro pilares: desafios e competitividade das empresas brasileiras; destaques de internacionalização das empresas brasileiras; diagnóstico da capacidade de expansão; contexto político-econômico e tendências de internacionalização. Segundo a Profª Lívia Barakat, uma das autoras do estudo, o  conhecimento gerado é disponibilizado anualmente para as empresas, empresários, executivos, instituições governamentais e a comunidade acadêmica no Brasil e no exterior, uma vez que a Fundação Dom Cabral acredita nos impactos positivos da disseminação do conhecimento gerado para o fortalecimento da competitividade global das empresas brasileiras.
Nesta 13ª edição participaram empresas com controle de capital e gestão majoritariamente brasileiros e com atuação internacional por meio de escritórios de vendas, centrais de distribuição, montagem, manufatura, prestação de serviços, agências bancárias/serviços financeiros, pesquisa e desenvolvimento. O grau de internacionalização das multinacionais é medido por uma combinação do índice de transnacionalidade desenvolvido pela United Nations Conference on Trade and Development - UNCTAD.
A pesquisa “Trajetórias de Internacionalização das Empresas Brasileiras 2018” contou com a participação de 69 companhias, sendo que 55 atuam no exterior apenas por meio de subsidiárias próprias; 9 empresas atuam somente por meio de franquias e 5 estão no tanto por meio de subsidiárias próprias quanto por franquias. As análises apresentadas utilizam, principalmente, os dados fornecidos pelas empresas participantes e que informaram os dados necessários de acordo com os critérios de participação por meio de questionários.
A Profª Livia explicou que as empresas brasileiras que participaram da pesquisa estão presentes em 82 países. “Investigamos o movimento de abertura ou fechamento de operações no exterior das empresas brasileiras no último ano. Das 69 empresas participantes da pesquisa, 14 (20%) delas iniciaram operações em novos países, enquanto 12 (17%) empresas decidiram por encerrar ou paralisar suas operações em algum país. As 14 empresas que iniciaram operações nos últimos dois anos entraram em 28 países, sendo a maior concentração deles na América do Sul e América do Norte. A Argentina destaca-se entre os países que receberam mais empresas participantes da pesquisa”, ressalta a autora.
Ainda segundo a pesquisa, o contexto político-econômico brasileiro impactou nas estratégias internacionais das empresas – 80,6% foram impactadas de alguma forma, sendo que 31,4% alegam um impacto considerável. Mais de 70% das companhias que participaram do levantamento afirmam que aumentaram os investimentos no mercado internacional frente ao cenário brasileiro atual, enquanto apenas 28,1% reduziram investimentos no exterior. Para os empresários que decidiram ampliar os investimentos fora do Brasil, os principais motivos apontados são: aumento de vendas, ampliação da carteira de clientes e mitigação de riscos com a diversificação geográfica.
De acordo com a FDC, a pesquisa verificou um crescimento gradual do índice médio de internacionalização. Em 2006, com 24 empresas, o índice médio de internacionalização era de 17,5%; hoje, com 69 companhias, o índice médio de internacionalização é de 24,3%, o que representa um crescimento de 38,8%.
               
“Ao analisar os dados da pesquisa, notamos como as novas tecnologias facilitam o processo de internacionalização, na medida em que as empresas passam a utilizar metodologias mais ágeis para atender as demandas específicas num prazo menor e com mais eficiência. A Stefanini vem se tornando cada vez mais competitiva com o seu ecossistema de inovação e, para o próximo ano, esperamos mais novidades que possam contribuir com o nosso crescimento e acelerar, ainda mais, o nosso processo de internacionalização”, afirma Marco Stefanini, CEO global da Stefanini.

Entradas populares de este blog

El eCommerce Day Buenos Aires celebrará las 100 ediciones del eCommerce Day Tour

Hikvision lanza cámara térmica biespectral Deep Learning Turret

Premio PAMOIC 2019, aprovechá el earlybird hasta el 30 de julio