Especialistas afirmam que a Lei Geral de Proteção de Dados do Brasil é uma das mais abrangentes e avançadas do mundo


Promovido pela Cantarino Brasileiro, em parceria com a NICE, evento discutirá o tema no dia 29 de novembro, de 9 às 18h, no CUBO


Sancionada em agosto deste ano, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) estabelece regras sobre a coleta, o tratamento, o armazenamento e o compartilhamento de dados pessoais gerenciados pelas organizações. Para alguns especialistas, a lei torna o Brasil alinhado às principais práticas globais de gestão de dados.

“Independente da criação da Autoridade Nacional, todos os órgãos de defesa do consumidor, Ministério Público, órgãos setoriais – Banco Central, Anvisa, ANAC, entre outros – contam com competência legal ou terão que que contratar profissionais focados na fiscalização para auxiliar no cumprimento da legislação”, afirma Renato Opice Blum, coordenador dos cursos de Direito Digital e Proteção de Dados do Insper, que será um dos palestrantes do Fórum Brasileiro de Proteção de Dados, a ser realizado no dia 29 de novembro, no CUBO, em São Paulo, pela Cantarino Brasileiro, em parceria com a NICE.

Para o advogado especialista em direito digital, a nova lei é uma das melhores e mais abrangentesdo mundo. “Embora um pouco mais flexível que a europeia GDPR, ela deve compartilhar princípios essenciais como consentimentotransparênciaauditoriafiscalização penalidades, em casos de incidentes de segurança (vazamento de informações).Ter um profissional especializado na nova lei brasileira é uma situação irreversível e o melhor custo-benefício para as organizações”, destaca Blum.
De acordo com o especialista, as empresas poderão exigir de seus fornecedores de tecnologia que façam upgrades atualizados nos sistemas, que garantam o cumprimento das normas de compliance. Embora ainda haja um desconhecimento sobre a lei, as organizações terão que se movimentar para se adequarem às exigências, já que o prazo é decrescente – até fevereiro de 2020.

Quem violar a nova lei estará sujeito a multas que podem chegar a 2% do faturamento da empresa, com um limite de R$ 50 milhões por infração.

O Fórum contará também com outros profissionais renomados e especialistas do setor, tais como Marcel Leonardi, consultor da Pinheiro Neto Advogados; Bruno Feigelson, CEO do Sem Processo e Head da Future Law; Fernanda Nones, gerente de implementação da Resultados Digitais, e Flavia Mitri, diretora de privacidade do Uber para a América Latina.

O objetivo do evento é mostrar como funciona a nova lei e como as empresas e startups deverão agir no novo cenário para garantir a proteção dos dados das empresas e pessoas físicas, trazendo também para a discussão os impactos práticos em diversos setores, tais como marketing, mercado financeiro, telecomunicações e varejo.

De acordo com Regina Crespo, curadora de conteúdo do Fórum, é importante que os tomadores de decisão saibam das mudanças que a nova lei trará aos seus negócios. “As empresas precisarão documentar os tipos de dados pessoais que têm em mãos, a origem deles e com quem já foram compartilhados, por exemplo. Se necessário, deverão desenhar novas políticas de proteção de dados”, ressalta.

O debate será importante para nortear também ações que devem ser tomadas mais rapidamente e que tipo de solução se adequa melhor a cada modelo de negócios. Segundo André Fernandes, gerente de Engenharia de Soluções na NICE, a tecnologia será uma grande aliada dos setores que precisam se adequar à LGPD, pois colabora com a captura, retenção, identificação e recuperação de todas as interações com clientes – de qualquer canal -, de acordo com as diretrizes e regulamentações específicas.

Para participar do Fórum, a aquisição dos ingressos pode ser feita diretamente por aqui.

Entradas populares de este blog

El eCommerce Day Buenos Aires celebrará las 100 ediciones del eCommerce Day Tour

Hikvision lanza cámara térmica biespectral Deep Learning Turret

Premio PAMOIC 2019, aprovechá el earlybird hasta el 30 de julio