Tecnologias exponenciais para moldar o futuro


Alexandre Winetzki
Diretor de P&D da Stefanini


Imagine dirigir numa grande cidade, durante a semana, sem enfrentar congestionamento. Parece sonho, não é mesmo? Segundo Leandro Espósito, country manager do Waze, o propósito da empresa é acabar com o trânsito. “Temos 100 milhões de usuários, que também são nossos parceiros. Juntos, podemos ajudar a solucionar este problema”.

Será que é algo factível? Talvez seja a partir da cocriação e do avanço de tecnologias como inteligência artificial, IoT, machine learning, impressão 3D, realidade virtual e indústria 4.0. Certamente a ideia, em sua essência, é exponencial, assim como várias soluções tecnológicas que foram abordadas durante o evento Rio.Futuro, que discutiu a inovação como forma de ajudar a criar o futuro dos negócios.

Um dos temas mais recorrentes foi a utilização da inteligência artificial como forma de gerar mais eficiência e garantir que a jornada do cliente ou cidadão se torne mais dinâmica, criativa e eficiente.

A Singularity University, que divulgou este ano uma lista de previsões até 2038, coloca a IA com emoção como um dos grandes avanços nos próximos anos. Segundo especialistas, os robôs compreenderão o contexto da fala bem o suficiente para interagir com humanos.

Para Fabio Scopeta, Head de Inovação e Engenharia da Microsoft, a pergunta já não é mais se a IA é uma realidade em nossas vidas, mas quais são as oportunidades de negócios e de empregos neste novo mundo em desenvolvimento. “A inteligência artificial tem o intuito de ampliar a capacidade humana e não de substituir o ser humano”.

Embora seja difícil compreender o impacto completo da inteligência artificial, sabemos que as profissões de entrada no mercado de trabalho serão as mais impactadas nesta fase de transição, com a eliminação de várias posições. Com o crescimento da capacidade dos algoritmos, precisamos discutir abertamente onde a tecnologia vai chegar e o que queremos dela. Pode ser que daqui alguns anos o robô supere o ser humano, já que é difícil controlar os avanços da tecnologia.

Minha visão é pessimista? Talvez sim, mas o que desejo aqui é estimular a reflexão, pois existe uma grande tendência em se humanizar as máquinas. Não tenho as respostas para todas as questões envolvendo IA, mas tenho muitas perguntas. Acredito sinceramente que é possível trabalhar de maneira preventiva para que a dor seja menor.

Há alguns países que já discutem uma renda mínima universal para lidar com os efeitos de um novo mercado de trabalho. Toda mudança assusta e gera insegurança. Minha dica é que os governos criem políticas específicas para discutir o tema e pensar em soluções que possam resultar na criação de princípios para controlar a inteligência autônoma.

Acreditamos na inovação como cerne da “invenção do futuro”, porém é preciso pensar sobre suas consequências e como podemos agir com ética para que as soluções exponenciais venham somar ao nosso dia a dia, criando novas oportunidades de trabalho e – quem sabe – nos deixando mais livres para desenvolver outras atividades que nos inspirem para moldar um futuro melhor.

Entradas populares de este blog

Bienestar | Hábitos saludables para el trabajador freelancer

Por cuarto año consecutivo BMC se posiciona como líder en el Cuadrante Mágico de Gartner en Gestión de Servicios de TI

NICE registra aumento de ingresos de nube en un 20% y en beneficio operativo del 16% con relación al año anterior