Stefanini anuncia joint-venture com a israelense Rafael


Stefanini investe em ofertas de segurança cibernética e inteligência e anuncia acordo de cooperação com a israelense Rafael

Na feira LAAD Security, no Rio de Janeiro, a joint-venture apresentará as soluções de cybersecurity, inteligência avançada e segurança pública

Stefanini, uma das mais importantes provedoras globais de soluções de negócios baseadas em tecnologia, planeja criar uma joint-venture com uma das maiores empresas de defesa israelense, a Rafael. Essa joint-venture oferecerá um conjunto de soluções de combate ao crime cibernético e ao terrorismo, bem como soluções avançadas de inteligência. O anúncio oficial foi realizado durante a feira LAAD Security, que acontece de 12 a 14 de abril no Riocentro, no Rio de Janeiro.


A Rafael Advanced Defense Systems é uma desenvolvedora de sistemas inovadores, tais como o Iron Dome, sendo responsável por um dos maiores projetos de segurança cibernética em Israel, atuando também em projetos relacionados à área de Defesa no Brasil.



Para o diretor geral da joint-venture no Brasil, Carlos Alberto Costa, além da segurança da infraestrutura de tecnologia e das informações, as soluções terão um foco importante na segurança da automação industrial, especialmente neste momento em que a Internet das Coisas (IoT) é apontada pelas consultorias internacionais como uma das principais tendências tecnológicas para 2016, criando assim a necessidade de novas arquiteturas de segurança para identificar, responder, bloquear e contra-atacar tentativas de invasão aos sistemas corporativos.



De  acordo com o Gartner, haverá mais de 4,9 bilhões de dispositivos conectados à Internet este ano, o que representa um aumento de 30% em relação a 2014. Para os próximos cinco anos, este número atingirá 25 bilhões. Neste cenário, a segurança terá um papel estratégico e, de acordo com a consultoria, mais de 20% das empresas terão até 2017 serviços de segurança digital para proteger os projetos de Internet das Coisas.

Para atender a essa demanda e reduzir o gap que existe em segurança cibernética, a Stefanini, que já trabalha com segurança de infraestrutura, decidiu investir na parceria para levar tecnologia de ponta para o mercado financeiro e para outras verticais, que ainda não possuem a tradição de investir em projetos robustos de segurança para prevenir a invasão de sistemas e vazamento de informações confidenciais.
“Muitas empresas não sabem o que estão perdendo e, por isso, não investem em defesa cibernética. É preciso mudar essa cultura no Brasil e conscientizar as empresas sobre a importância da prevenção. Com as soluções decybersecurity, conseguimosgarantir que os dados confidenciais das empresas sejam preservados, que a linha de produção industrial fique menos vulnerável e que a nossa infraestrutura crítica de energia, água e telefonia não seja paralisada por ataques virtuais”, explica Wander Cunha, diretor da Business Consulting da Stefanini.
Além das soluções de cybersecurity, esta joint-venture trará para o Brasil soluções avançadas de inteligência para lidar com o desafio de explorar grandes volumes de dados. Isto irá contribuir com as investigações policiais, adicionando inteligência ao processo de investigação, inclusive com a possibilidade de automatizar algumas tarefas, utilizando big data para análise detalhada de quaisquer provas coletadas. Também contribuirá com sistemas avançados de monitoramento de imagens digitais em vários setores: agronegócio, monitoramento de barragens, gasodutos, setor elétrico e linhas de transmissão.


Crimes cibernéticos
Divulgado no ano passado, o estudo da Conferência da ONU sobre Comércio e Desenvolvimento, Unctad, afirmou que o aumento do número de crimes cibernéticos tem sido um tema de destaque no cenário de riscos corporativos, tornando-se uma questão urgente para os conselhos empresariais.



O relatório da ONU calcula que as perdas por causa de fraudes on-line cheguem a US$ 3,5 bilhões. Crimes cibernéticos incluem ações não-monetárias, como distribuição de vírus em redes de computador ou roubo de informações comerciais confidenciais ou de identidade. O mesmo estudo citou que o Brasil está entre os cinco países com mais crimes cibernéticos – os outros são Rússia, China, Nigéria e Vietnã. 



“Neste momento em que as companhias e instituições brasileiras querem ampliar seus investimentos de segurança, apostamos na parceria com a Stefanini para oferecer o que há de mais moderno em cybersecurity, utilizando nossos avançados sistemas de inteligência e defesa”, afirma B.G (Ret.) Ariel Karo, Head da diretoria de Cyber & Inteligência da Rafael. 



A transação ainda está sujeita à aprovação prévia das autoridades do Brasil e de Israel.

Entradas populares de este blog

Bienestar | Hábitos saludables para el trabajador freelancer

Por cuarto año consecutivo BMC se posiciona como líder en el Cuadrante Mágico de Gartner en Gestión de Servicios de TI

NICE registra aumento de ingresos de nube en un 20% y en beneficio operativo del 16% con relación al año anterior